Beleza Nua às margens dos rios Jari e Iratapuru, Amazônia

A realidade amazônica nos impõe o desafio de olhá-la com atenção e enxergar suas feridas provocadas por tanta exploração. Para isso, faz-se necessário olhar de perto para sentir o cheiro de seus ferimentos. É o cheiro da madeira encharcada, apodrecida, violentada, desperdiçada e deixada ao longo das margens do que antes era um rio. Hoje, o que antes era rio, deu lugar a um grande lago que carcomeu árvores centenárias, fermentou o Rio Jari, e matou os seus peixes.

Esse é o resultado de um projeto predatório realizado pela construção das hidrelétricas que não considera as diversas vidas que dependem dos rios e das matas na Amazônia.

Semelhante a este, há vários outros espalhados pela Amazônia e muitos outros estão por vir.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s